ABAIXO-ASSINADO UMA MATRÍCULA UMA ESCOLA
A lei 2200 garante que os professores da rede estadual não podem mais ficar em mais de uma escola, entretanto o governador Cabral quer impedir que ela seja oficializada.
Clique aqui para saber mais e participar da mobilização.
Até 16/06/13 já foram 3.080 pessoas assinando.

08/06/13

GOVERNO DO ESTADO VAI LANÇAR PLANO DE SAÚDE PARA 460 MIL SERVIDORES

Retirado do site jornal Extra.

08/06/13 08:00
O secretário Sérgio Ruy Barbosa falou sobre o plano de saúde em visita à Redação de Vidro do EXTRA Foto: Fábio Costa / Extra
Djalma Oliveira

O governo do estado está acertando os últimos detalhes para abrir o credenciamento de empresas interessadas em oferecer planos de assistências médica e odontológica ao funcionalismo. Em visita à Redação de Vidro do EXTRA, na Praça Quinze, nesta sexta-feira, o secretário de Planejamento, Sérgio Ruy Barbosa, disse que, entre o fim deste mês e o início do próximo, será lançado um edital para convocar as operadoras interessadas. As que cumprirem os requisitos poderão oferecer o serviço aos 460 mil servidores ativos, inativos e pensionistas, que poderão incluir dependentes.

Segundo Sérgio Ruy, a previsão é que, a partir de agosto, os funcionários que aderirem já sejam atendidos pelas empresas credenciadas. Será possível escolher o plano de saúde, o odontológico ou ambos.

A quitação das mensalidades do plano de saúde dos servidores estaduais não será feita por meio de desconto no contracheque, como acontece na Prefeitura do Rio. “Será emitido um boleto para pagamento no banco”, explicou Sérgio Ruy Barbosa. Apesar de esse sistema de pagamento ter maior probabilidade de inadimplência — se comparado ao desconto em folha —, o secretário garantiu que o preço do plano será melhor do que o cobrado pelo mercado.

O plano não deverá ter coparticipação, ou seja, o servidor não terá que pagar parte do valor de exames e consultas, quando precisar desses serviços. A ideia do estado é oferecer diversos tipos de planos, desde o mais básico, com as coberturas mínimas estabelecidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), até outros mais completos e, consequentemente, mais caros para o funcionário estadual.

Leia mais: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário.